Cruz Vermelha Japonesa Recusa Doações De Sangue De Pessoas ‘Vacinadas’ Para COVID-19

A Cruz Vermelha Japonesa agora se recusa a aceitar doações de sangue de pessoas que receberam a vacina contra o coronavírus Wuhan (COVID-19).

por Arsenio Toledo

O site da Cruz Vermelha Japonesa afirma que indivíduos que foram vacinados contra COVID-19 “não estão autorizados a doar sangue por enquanto”.

A mesma página avisa os potenciais doadores de sangue que eles não poderão dar seu sangue por um certo tempo após terem recebido diferentes vacinas.

Alguns adiamentos impedem a doação de sangue por 24 horas após a vacinação, inclusive após a vacinação contra influenza, cólera e tétano.

Outros evitam doações de sangue por duas semanas após a vacinação, como depois de receber a vacina contra hepatite B.

Aqueles que receberam as vacinas contra caxumba, rubéola e outras “vacinas vivas” consideradas fracamente venenosas não podem doar sangue por quatro semanas após a vacinação.

Aqueles que receberam a vacina contra a varíola não podem doar sangue por oito semanas após receber a dose.

Jeffrey Kingston, diretor de estudos asiáticos  do  campus da Temple University no Japão, explicou que o Japão não se esqueceu de um escândalo que atingiu o país na década de 1980.

Na época, funcionários do governo haviam permitido que sangue contaminado com o vírus HIV continuasse a ser usado. Isso ocorreu mesmo que tivesse sido estabelecido que os elementos do vírus no sangue poderiam ser eliminados com o uso de tratamentos térmicos.

Kingston disse que isso explica tanto a abordagem cautelosa das doações de sangue quanto o lançamento muito lento e metódico das vacinas contra o coronavírus no país.

Apenas cerca de 2% da população japonesa está totalmente vacinada, em comparação com mais de 35% nos Estados Unidos.

“É um gargalo burocrático impulsionado pelo medo de que algo possa dar errado, então é melhor atrasar e atrasar”, disse Kingston.

América Continua A Aceitar Doações De Sangue, Independentemente Do Estado De Vacinação

Nos Estados Unidos, a Cruz Vermelha americana está permitindo que indivíduos que receberam a vacina contra o coronavírus doem seu sangue.

De acordo com o site da Cruz Vermelha Americana, os indivíduos vacinados terão permissão para doar sangue imediatamente ou após um curto período de adiamento, dependendo do tipo de vacina contra o coronavírus que receberem.

Pessoas inoculadas com uma vacina COVID-19 inativada ou baseada em RNA poderão doar seu sangue imediatamente.

Essas vacinas incluem as fabricadas pela Pfizer-BioNTech, Moderna e Johnson & Johnson.

Se os indivíduos vacinados receberam uma vacina viva atenuada contra o coronavírus, se não têm certeza de que tipo de vacina COVID-19 receberam ou se foram vacinados como parte de um ensaio clínico para uma vacina que ainda não foi autorizada para uso disseminado nos EUA , eles têm que esperar meras duas semanas antes de dar seu sangue.

Como as vacinas autorizadas nos EUA – Pfizer, Modern e Johnson & Johnson – são baseadas em RNA ou usam um vírus inativado, isso significa que não há virtualmente nada que impeça os indivíduos vacinados de doar seu sangue.

“A resposta simples é: não há tempo de espera entre a vacinação e a doação”, disse Kim Cronin, gerente de serviços de doadores no  Massachusetts General Hospital .

Os serviços de doação receberam esta notícia calorosamente . Isso ocorre porque os bancos de sangue têm experimentado uma escassez de sangue desde o início da pandemia.

“Os últimos quatorze meses foram bastante desafiadores para aqueles de nós responsáveis ​​por manter um suprimento de sangue adequado para os pacientes necessitados”, disse Cronin.

“O sangue continua a ser necessário todos os dias.”

“Com mais pessoas sendo vacinadas e começando a retornar às atividades normais, a Cruz Vermelha está preocupada com o impacto que isso pode ter na participação de doadores de sangue”, disse Holly Grant, CEO da Cruz Vermelha de Massachusetts. “O sangue é um produto perecível e o suprimento deve ser constantemente atualizado para que os hospitais tenham sempre o que precisam, quando precisam”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *